Resultados da sua pesquisa

Venda de casas sobe 30% e muitas já são pagas a pronto

Posted by Nauhouse on Setembro 4, 2018
| 0

Este vai ser o melhor ano para o imobiliário desde 2010. Alojamento local, vistos gold e juros perto do zero animam o mercado.

A venda de imóveis aumentou 30% nos primeiros seis meses deste ano. São à volta de 80 mil casas – os números finais irão ser divulgados nesta semana pela APEMIP. A maior procura por parte de investidores estrangeiros, a “corrida” ao alojamento local e a baixa remuneração dos depósitos bancários explica o boom. E o facto de uma boa parte dos negócios estar a ser feita a pronto.

“Posso avançar que o primeiro semestre foi muito positivo, com um crescimento superior a 30%, acima daquilo que é a minha previsão para o total do ano – 25%-30%”, confirmou ao DN/Dinheiro Vivo Luís Lima, presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária (APEMIP). “Tenho algum receio em relação à segunda metade do ano, mas estou otimista.”

Por detrás dos bons números está ainda o aumento da concessão de crédito para a compra de casa e a crescente procura de imóveis por estrangeiros, à boleia dos vistos gold. Mas há também outras nuances mais recentes: o fenómeno da compra de casas usadas para reabilitação e transformação em alojamento local e a fuga das taxas de depósitos historicamente baixas que leva muitos portugueses a investir as suas poupanças na compra de casa sem recorrer, ou recorrendo menos, aos empréstimos da banca.

“O crédito à habitação é hoje usado como complemento na compra da casa e não para obter um financiamento a 100%. Além disso, o investimento em imobiliário tem atualmente uma taxa de rendibilidade superior aos depósitos bancários e um risco menor. Por essa razão muitos portugueses preferem investir as suas poupanças no imobiliário, quer para habitação própria quer para arrendar a terceiros”, conta João Pedro Pereira, da comissão executiva da ERA Portugal.

“O imobiliário é um setor que passa uma imagem de segurança. A compra de casa com capital próprio é um fenómeno a que já assistimos há cerca de um ano e que acredito que vai continuar a crescer a par do maior número de casas vendidas”, acrescenta Luís Lima.

Ricardo Sousa, administrador da Century 21, admite que o crescimento do crédito tem mais força nos segmentos médio e médio-baixo, e assume que os juros baixos nos depósitos são os grandes culpados por acentuar “a nossa cultura de proprietários”, ainda para mais numa altura em que “as rentabilidades do imobiliário são superiores a outras alternativas existentes no mercado”.

“Este fenómeno verifica-se em resultado das taxa de juro dos depósitos que se apresentam em valores muito baixos, praticamente no zero, havendo assim uma tendência normal de redirecionar as poupanças para a compra de habitação que, nos ciclos longos, sempre é mais rentável do que os depósitos a prazo”, refere, por sua vez, Beatriz Rubio, CEO da Remax, que lembra também que “existem 49 nacionalidades a comprar casa em Portugal, que na sua grande maioria não recorrem a crédito bancário”, fatores que ajudam a explicar o andamento mais rápido das vendas do que do crédito.

Luís Lima admite que a compra a pronto “só não tem mais dimensão por insegurança dos portugueses”, mas assume que o fenómeno se vai intensificar, até porque “nos próximos dois anos nada vai parar este dinamismo do imobiliário”.

in Diário de Notícias

Escrito por: Ana Margarida Pinheiro em 14/08